A deputada estadual Daniella Tema (DEM) apresentou à sociedade maranhense, na sessão plenária de quarta-feira (9), na Assembleia Legislativa, um projeto de lei de sua autoria que institui o Dia Estadual da Menina no Maranhão. A Organização das Nações Unidas (ONU), no ano de 2012, instituiu o dia 11 de outubro como o Dia Internacional da Menina, data em que se pretende colocar em evidência questões como as desigualdades de gênero que afetam negativamente a vida das meninas e as colocam em desvantagem em relação aos meninos. 

Segundo a parlamentar, o ‘Dia Estadual da Menina’ tem o intuito de dar visibilidade a milhares de meninas que vivem em situação de vulnerabilidade e sem acesso à educação no Estado. Assim, ficarão encarregadas as secretarias de estado correlacionadas com a pauta a realização de atividades e campanhas, em parceria com o Legislativo, o Judiciário e sociedade civil, com foco na promoção dos direitos das meninas e empoderamento feminino. “Lugar de menina é onde ela quiser”, justificou Daniella Tema.

Durante o seu discurso, a deputada apresentou na tribuna a garota Jullyana Meloo, de 16 anos, estudante do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA), que acompanhou a parlamentar durante todo o seu expediente na Assembleia Legislativa, ação promovida em parceria com a ONG Plan Brasil, por meio do programa denominado “Meninas Ocupam”, em que uma garota é incentivada a liderar um espaço político, econômico ou social, desde que a experiência seja significativa e impactante para as meninas e as parcerias envolvidas. 

“Foi um dia muito importante e que guardarei eternamente na minha memória. A deputada Daniella Tema é uma parlamentar muito simpática, rodeada de uma equipe muito competente. Conviver durante este dia com todos foi uma oportunidade de perceber o quão é corrido o trabalho de um parlamentar e levarei essa experiência para a vida, obrigada deputada Daniella Tema”, declarou a estudante Jullyana Meloo.

De acordo com estudos da ONU, 75 milhões de meninas não frequentam a escola. Em cada três mulheres, uma não tem acesso ao ensino secundário. No Brasil, 502 mil meninas entre 10 e 19 anos são trabalhadoras domésticas, de acordo com dados do IBGE. A taxa de gravidez precoce em meninas de 14 a 17 anos matriculadas na escola é de 5%, número que atinge a taxa de 30% entre as adolescentes que não frequentam a sala de aula